Portal Melhores Amigos | Sustos e estresse: perigo mortal para os pequenos mamíferos
860
single,single-post,postid-860,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Sustos e estresse: perigo mortal para os pequenos mamíferos

coelho_stress_susto

21 set Sustos e estresse: perigo mortal para os pequenos mamíferos

Quando você leva um susto ou passa por alguma situação de estresse, a sensação não é muito agradável, não é verdade? Nosso organismo parece entrar em colapso por alguns instantes e algumas pessoas chegam até a desmaiar como forma de se defender frente ao perigo/susto.

No caso dos pequenos mamíferos, sabia que uma situação estressante pode ir além de provocar sensações desconfortáveis ou desmaios e até causar a morte do bichinho?

“O estresse pode ser agudo ou crônico, e os pequenos mamíferos de estimação – como coelhos, Hamsters e Porquinhos-da-índia –, que são animais sensíveis, se expostos a situações estressantes, podem morrer”, alerta Thalita Michelle Queté dos Reis, empresária e médica veterinária, especializada em clínica e cirurgia de animais silvestres e exóticos, do Centro Veterinário Queté, em São Paulo.

Dra. Thalita conta que “um exemplo de estresse agudo seria o animal se assustar com um barulho alto e rápido, como o de um rojão num dia de jogo de futebol. No caso de estresse crônico, poderia ser um animal submetido diariamente à contenção física de forma inapropriada, achando que vai cair a todo instante”, descreve.

Além disso, existem outros fatores que podem amedrontar esses bichinhos. “Animais podem se estressar com ambiente novo, pessoas novas, barulhos altos, como gritos, e em muitas outras situações. O “susto” pode ser fatal não só para os pequenos mamíferos, mas também para as aves de estimação”, alerta a médica veterinária.

Claro que existem circunstâncias que vão além do controle humano – como prever que o seu vizinho vai acender uma bateria de fogos de artifício – mas alguns cuidados podem evitar o estresse do animal. Segundo a especialista, os cuidados mais comuns são:

– manter os animais em ambientes calmos, sem sons altos e gritaria de crianças;

– acostumá-los com a manipulação diária, sem agarrá-los e apertá-los de qualquer forma, devendo ser segurados nas mãos de forma que se sintam seguros e apoiados;

– não levantar os coelhos pelas orelhas.

Dra. Thalita ainda ressalta que “os Hamsters, mesmo acostumados com manipulação diária, podem morder se sentirem alguma ameaça. Crianças muito pequenas, que ainda não têm noção de sua força, devem ser sempre supervisionadas quando manipularem os pequenos mamíferos de estimação”.

Sem estresse, a vida é bem melhor para todo mundo, né?

 

Por: Paula Soncela
Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.