Portal Melhores Amigos | Os feromônios da sua fera felina
3886
single,single-post,postid-3886,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Os feromônios da sua fera felina

Post_portalmelhoresamigos_9

13 nov Os feromônios da sua fera felina

Você talvez já tenha ouvido falar em feromônios e como eles são importantes para o comportamento dos animais. Mas o que eles fazem? Basicamente, são substâncias secretadas por animais e que os auxiliam na comunicação entre outros da mesma espécie – principalmente social e sexualmente.

 

“Existem diversos tipos de feromônios que são produzidos em diferentes partes do corpo do gato. Cada um com um significado diferente”, explica a médica-veterinária Vanessa Zimbres, da clínica Gato é Gente Boa. “Por exemplo na área da face, que normalmente esfregam em nós, entre as almofadinhas das patas, na região das mamas. Também são eliminados na urina e fezes”. A resposta à ação dos feromônios é emocional, inconsciente e instintiva. E por isso são tão potentes.

 

É uma forma de comunicação que pode desencadear desde medo, agressividade e dominância até sentimentos de grande tranquilidade e bem-estar. Também são específicos para cada espécie de animal. Ou seja, o feromônio do seu gato não vai despertar efeitos em um cão, outro pet ou no ser humano.

 

O curioso é que todos os animais os produzem, a diferença é o local onde são depositados. “Por exemplo: um gato muito dominante vai depositar seu ‘cheiro’ em vários locais da casa e mais frequentemente.  Isso pode inibir o comportamento de um segundo animal mais tímido, que não espalha seus feromônios de forma tão efetiva. O interessante é que para apaziguar situações de estresse, é possível utilizar feromônios sintéticos”. Atualmente esses produtos são amplamente utilizados na medicina comportamental felina em diversas ocasiões.

 

Mas é importante utilizá-los com orientação de um especialista em comportamento animal, já que o uso indiscriminado pode levar a resultados frustrantes.

 

“Em cada situação, devemos avaliar se o comportamento do animal está sendo alterado por problemas físicos de saúde, ou de fato, comportamentais. Esse tipo de terapia, logicamente, também não faz milagre. É a parte de um todo que deve incluir todo um trabalho de modificação ambiental”, conclui Vanessa, cuja clínica recentemente recebeu a certificação internacional Cat Friendly Practice nível Gold da AAFP – American Association of Feline Practitioners.

 

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.