Portal Melhores Amigos | A lambedura do gato é muito mais que um banho!
2788
single,single-post,postid-2788,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

A lambedura do gato é muito mais que um banho!

gato-banho_DOMINIO-PUBLICO

27 abr A lambedura do gato é muito mais que um banho!

É verdade que os gatos domésticos não são grandes fãs da banheira. No entanto, os gatos de pelo longo precisam sim tomar banho. Para evitar grandes traumas, devem ser acostumados cedo.

Você sabe que seu gato “toma banho” com a língua, mas por que ele o faz dessa maneira talvez seja um mistério. O curioso é que em sua superfície, a língua felina possui cerdas que se transformam em uma espécie de escova natural.

“Sempre brinco que o gato é um bicho autolimpante”, diz a médica-veterinária Regina Rheingantz Motta, da clínica Homeo Patas. “Ele consegue manter sua higiene sozinho, sem precisar de banho. Cada tipo de pelagem pode exigir cuidados específicos, mas o gato é um animal extremamente limpo e que detesta estar sujo. Acreditamos que esse seja um meio de evitar predadores no ambiente natural. Quem tem gato sabe que, após ele comer imediatamente começa a se lamber, para evitar odores que possam atrair outros animais que possam representar perigo”. É comum também que os gatos lambam a pata para que possam chegar em lugares onde a língua não chega, como a nuca. Com a língua, espalham a saliva na patinha e a espalham pelo corpo para fazer sua higiene.

Acredita-se que outro motivo é o alívio do estresse. “Existe também a teoria de que a lambedura tranquiliza o animal em situações como mudança de casa ou a chegada de um novo pet. A lambedura pode ser também uma demonstração de afeto com o tutor. “Quando são filhotes, o ato valoriza laços entre os indivíduos. A mãe lambe, os filhotinhos se lambem. Mas não é tão comum, ao contrário do cachorro, que aconteça entre gato e humano. Ele pode na verdade estar curioso, por sentir um cheiro de algum produto ou alimento na pele”.

É importante manter-se atento pois o hábito de se lamber em excesso pode ser um sintoma de doenças, ou mesmo causar lesões. “Lambeduras exageradas deixam a pele mais úmida, favorecendo o surgimento de fungos e bactérias”, alerta a médica-veterinária. Mas o tutor deve ficar atento também quando o gato parecer pouco interessado em se limpar. “O gato doente para de se limpar. Esse é um dos principais sinais, já que um felino com problemas de saúde mascara muito mais os sinais, diferente do que fazem os cães. Então, se você perceber que ele não se lambe, se você está sentindo cheiro no gato, pode ser um sinal de alerta.

Quando dar banho?

Não é somente o conhecimento popular que diz que gatos não gostam de se molhar. Existe história por trás. Os felinos domésticos descendem de variedades das regiões desérticas do norte da África, no Saara, onde a água em grandes volumes é escassa. Mas, caso seu animal tenha pelo longo, um banho mensal é recomendável e, para evitar grandes problemas nessa hora, o ideal é acostumar o gato com a água desde filhote. “Tenho um gato com 19 anos, e agora em 2017, pela primeira, permitiu um banho”, conta a Dra. Regina. “Ele tem boa saúde para a idade, todavia, por ter pelo curto, não existe necessidade de banhos mensais.  O mais importante, para qualquer tamanho de pelo é realmente a escovação, que retira pelos mortos e estabelece laços afetivos”. O ideal é que seja feita pelo menos duas vezes por semana.

A retirada dos pelos mortos também ajuda a prevenir a ingestão desse material em excesso. É comum e desejável que os gatos possam expelir as famosas bolas de pelo, vomitando-as. Contudo, em alguns casos, é possível que esse material fique retido no trato digestório, causando prisões de ventre, vômito, perda de apetite e outros males. Nesses casos, somente uma cirurgia pode remover os nódulos. A boa notícia é que hoje em dia, diversas rações são produzidas com elementos que ajudam o corpo a digerir esse material. “Não existe uma periodicidade para que essa bola de pelo apareça, então se o seu animal não apresentar um quadro como esses descritos, e ter acesso a uma ração de boa qualidade, não há razão para preocupação”.

Da Redação
Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.