Portal Melhores Amigos | Toxoplasmose: quais os sintomas e os tratamentos
4018
single,single-post,postid-4018,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Toxoplasmose: quais os sintomas e os tratamentos

Post_portalmelhoresamigos_10

12 fev Toxoplasmose: quais os sintomas e os tratamentos

Já ouviu falar em toxoplasmose? O nome, indigesto, descreve uma das zoonoses (doenças transmitidas por animais) mais comuns. Trata-se de uma infecção causada por um protozoário, o Toxoplasma gondii, encontrado nas fezes de gatos e outros felinos.

 

Os bichanos são hospedeiros definitivos do parasita, mas não costumam apresentar sintomas graves. No entanto, a história é diferente para humanos e outros animais, incluindo os cães.

 

Ao contrair a doença por via oral (ingestão de água ou alimentos contaminados ou mesmo o consumo de carne crua ou mal cozida com a presença de oocistos), por via sanguínea (através de uma transfusão ou transplantes de órgãos) ou por via transplacentária (transmissão da mãe para o feto), nós e nossos amigos caninos podemos sofrer complicações.

 

Assim como nas pessoas, a toxoplasmose pode se manifestar nos cães de variadas maneiras e em diferentes graus. Na maioria das vezes, os sintomas são geralmente leves, parecidos com os da gripe.

 

O problema é que o parasita pode permanecer silencioso no organismo por muitos anos, sem qualquer manifestação clínica. Quando o sistema imunológico está enfraquecido, pela velhice ou por outras doenças (síndromes de imunodeficiência), os sintomas podem ser mais sérios – entre eles febre, dor de cabeça, inflamação cerebral e do aparelho locomotor com confusão mental e falta de coordenação, pneumonia, miocardite e coriorretinite.

 

“O parasita pode se alojar, na forma de cistos, em tecidos como o muscular, o hepático, o pulmonar e o ocular”, detalha Adalberto von Ancken, médico-veterinário e mestre em bem-estar animal. “Dessa forma, pode ocasionar infecções em órgãos, transtornos visuais e até convulsões, caso acometa o cérebro”.

 

Em cadelas gestantes, a toxoplasmose pode provocar abortos ou sequelas para os filhotes, como deficiência visual, anormalidades motoras, surdez e microcefalia.

 

De acordo com von Ancken, a toxoplasmose é uma doença desconhecida por muitos clínicos e de diagnóstico difícil, sendo imprescindível seu diagnóstico diferencial. Convulsões são sempre mais associadas a fatores como má-formação congênita, epilepsia idiopática, acidente vascular cerebral, traumatismos e intoxicações. Já um aborto poderia ser atribuído à brucelose, por exemplo.

 

Também complica o fato de exames de fezes não serem conclusivos. A sorologia pode indicar uma infecção recente, mas tem que ser associada aos sintomas pelo clínico. “A detecção do parasita intracelular seria um diagnóstico definitivo, porém não é usual e poucos patologistas de laboratórios particulares saberiam fazer essa identificação”, comenta o profissional. “Infelizmente muitos diagnósticos apenas podem ser fechados após o óbito, como no caso de encefalites causadas pelo toxoplasma”.

 

Os tratamentos devem ser direcionados ao quadro clínico específico, como nas possíveis inflamações causadas pelos cistos. “Não há drogas potentes e com alta eficácia para serem fornecidas de forma sistêmica e que matem os cistos. O ideal seria um sistema imunológico constantemente saudável e ativo, o que é impossível com o passar dos anos”, explica von Ancken. A clindamicina costuma ser a droga de escolha. Derivados de sulfa também podem ser utilizados, porém a toxicidade destas drogas em felinos é alta.

 

Para afastar o risco da doença, os tutores devem evitar fornecer carne crua ou mal passada para seus pets (contrariando dietas atualmente em evidência), assim como frutas, legumes e verduras mal lavados.

 

Os oocistos do toxoplasma presentes nas fezes dos gatos têm vida curta no ambiente (em torno de 24 horas) caso não obtenham condições adequadas para esporular. Caso o façam, podem durar meses e alcançar cursos d’água ou serem transportados por insetos, contaminando alimentos e utensílios domésticos.

 

O especialista ressalta que a grande maioria dos gatos domésticos não transmite toxoplasmose, como algumas pessoas podem pensar. Mas higiene é a palavra primordial nos ambientes em que os pets são criados, sejam eles somente felinos ou cães e gatos convivendo. “Além da limpeza regular, a caixa de areia do gato pode receber a cada 15 dias uma lavagem com água fervente e produtos à base de amônia quaternária”, recomenda von Ancken.

 

Uma gestante que nunca teve contato com felinos e que possua uma sorologia negativa para a toxoplasmose não deve ser a responsável pela manutenção da caixa de areia. E, por último, mas não menos importante, a visita ao veterinário é fundamental para orientações como alimentação, vermifugação e outros cuidados com nossos melhores amigos.

 

Estima-se que 60% a 80% dos humanos adquirem toxoplasmose ao longo de suas vidas, mesmo sem desenvolver sintomas graves. “Não existem dados sobre a incidência em cães, mas pela grande proximidade desses animais conosco, poderíamos considerar uma porcentagem similar”, afirma von Ancken.

 

Segundo o médico-veterinário, a toxoplasmose é uma enfermidade perigosa. Mas, curiosamente, é conveniente que nós e nossos bichos tenhamos contato com o parasita em algum momento da vida, para adquirirmos defesa imunológica. “A ausência total de anticorpos pode abrir caminho para uma infecção mais crítica”, esclarece von Ancken.

 

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.