Portal Melhores Amigos | Pet se recupera melhor no pós-operatório quando tutor é atento e disciplinado
4232
single,single-post,postid-4232,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Pet se recupera melhor no pós-operatório quando tutor é atento e disciplinado

Portal_Pós-operatório-pet--principais-dicas-e-cuidados

01 ago Pet se recupera melhor no pós-operatório quando tutor é atento e disciplinado

Quando um bichinho de estimação passa por um procedimento cirúrgico, os tutores sempre ficam apreensivos. Quando vem a alta, logo vem o pensamento “o pior já passou”. Apesar do alívio, os tutores não devem baixar a guarda: o pós-operatório é um momento crucial para a boa recuperação do pet e tem importante influência no desfecho do processo cirúrgico.

 

A dica é do médico veterinário Marcello Machado de Azevedo, gerente nacional técnico da Total Alimentos. Segundo ele, entre as cirurgias mais comuns na rotina veterinária estão a castração e a nodulectomia (remoção de módulos).

 

“Os procedimentos pós-operatórios dependem diretamente do tipo de cirurgia ao qual o animal foi submetido. De maneira geral é importante manter os animais calmos, em ambiente seguro, com movimentação restrita, evitando o contato com o acesso cirúrgico, prevenindo a ruptura de pontos e contaminações”, afirma o especialista. “Outros procedimentos logo após cirurgia, dependendo do caso, podem ser restrição hídrica, alimentar e manter o animal aquecido, entre outros.”

 

De acordo com Azevedo, nesta fase delicada, os tutores devem manter o animal o mais seguro e confortável possível, buscando minimizar ao máximo o estresse e a dor. Será preciso, por exemplo, tomar mais cuidado na hora de ministrar medicamentos (como antibióticos, analgésicos ou sedativos) e nunca dar remédios ao pet por conta própria, sem a orientação profissional.

 

Os tutores também têm que ter em mente que será necessário dar mais atenção ao seu pet nesse período. Por exemplo, não deixar o bichinho sem assistência, observar eventuais mudanças de comportamento e prestar atenção à cicatrização. Ou seja, paciência é essencial.

 

“Os tutores devem sempre ter o contato do médico veterinário em mãos, não deixar o animal sozinho sem assistência, promover um ambiente calmo e acolhedor, e fornecer corretamente as medicações pós-cirúrgicas”, declara Azevedo. “Seguir as orientações do veterinário é fundamental e, caso haja suspeita de que algo não esteja bem, é preciso contatar o profissional imediatamente.”

 

 

 

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.