Portal Melhores Amigos | Vida de felino: conheça a ONG Adote Um Gatinho
979
single,single-post,postid-979,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Vida de felino: conheça a ONG Adote Um Gatinho

capa

23 out Vida de felino: conheça a ONG Adote Um Gatinho

Felizmente, as organizações de resgate e adoção de animais vêm pipocando pelo país e mostrando a importância deste tipo de trabalho. Acompanhando este movimento, está a ONG Adote Um Gatinho (AUG), uma das principais organizações que ajudam os felinos a encontrarem um lar.

A “Adote um Gatinho” surgiu em janeiro de 2003, quando as fundadoras Susan Yamamoto (capa) e Juliana Bussab se conheceram enquanto realizavam trabalho voluntário, ajudando os gatos de um parque em São Paulo. Movidas pela vontade de cuidar e zelar pelos animais abandonados, as duas decidiram criar a AUG. A partir de 2006, um grupo de voluntários se uniu às duas e, a partir de então, a Adote um Gatinho se tornou uma ONG.

Como funciona?

Os gatinhos que estão para adoção vêm de diversos lugares. “Recebemos pedidos de ajuda, principalmente, por e-mail. Esses e-mails são centralizados em uma voluntária que avalia, filtra e encaixa, na medida do possível, os gatos em nosso abrigo e nos nossos lares temporários. Assim que chegam, os animais passam por avaliação veterinária e, estando ‘ok’ de saúde, são vermifugados, vacinados, castrados e colocados para adoção”, explica Susan Yamamoto, jornalista, empresária e uma das fundadoras da ONG.

Além de todos os procedimentos com os gatinhos, é necessário que os humanos também estejam aptos a serem tutores dos felinos. “A pessoa precisa avaliar se terá condições de sustentar esse animalzinho e as questões de segurança em seu lar. O interessado deve entrar no site da ONG  e preencher o formulário de adoção, que é levado diretamente à voluntária responsável pelo gatinho escolhido”, orienta Susan.

Depois de enviado o formulário, o voluntário responsável entra em contato com o interessado em até 48 horas para conversar sobre a adoção, avaliar o caso e, se estiver tudo de acordo, agendar a entrega do gatinho, que é feita pessoalmente. No ato da entrega, o adotante assina o contrato em que sela as condições da adoção.

Susan informa que, “se o adotante residir em casa, uma vistoria prévia é feita para checar se o lugar é à prova de fugas. Buscamos apartamentos ou casas com telas fixas em todas as janelas, varandas, sacadas, vitrôs e basculantes. É preciso morar dentro da cidade de São Paulo ou no ABC Paulista”, aponta. Outras questões podem ser levadas em consideração no ato da adoção, como alergia, gravidez, crianças ou idosos em casa, existência de outros animais e a personalidade de cada gato.

Como ajudar?

Na seção “Quero Ajudar” do site, as pessoas encontram diversas maneiras de dar uma mãozinha, seja fazendo doações em dinheiro, adquirindo produtos exclusivos da ONG, apadrinhando um gatinho, doando a Nota Fiscal Paulista sem CPF, comprando rifas ou produtos de empresas parceiras, como a Pet Memorial, Pet Love e Pepe Cats.

Resgates marcantes

Entre os 12 anos de salvamentos, doações e histórias marcantes, Susan relembra o primeiro resgate grande que fizeram de 44 gatinhos. “Eles pertenciam à protetora que havia abandonado todos eles em uma fábrica desativada no Ipiranga. Ela tinha se mudado para um sítio e, longe das pessoas, parou de receber ajuda. Os gatos começaram a passar fome e ela, desesperada, soltou todo mundo. Nós resgatamos os 44 gatos, alugamos dois quartos em Osasco e passamos a cuidar de todos eles do jeito que dava.  Estavam todos desnutridos e judiados”, conta.

“Outro resgate marcante foi em um terreno de Moema. O proprietário havia lacrado o portão com eles dentro e os gatinhos estavam, literalmente, morrendo de fome.  Organizamos lares temporários, chamamos o laçador e os gatos foram capturados. Nos emocionou bastante”, relata Susan.

Se pararmos para observar, histórias como essas ocorrem à nossa volta diariamente. Então cabe a nós, pessoas conscientizadas e sensibilizadas, ajudar da maneira que for e tentar prover uma vida no mínimo digna para esses bichinhos, não é mesmo?

 

 

Por: Paula Soncela
Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.