Portal Melhores Amigos | Quando o pet se vai: serviços fúnebres para animais
996
single,single-post,postid-996,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Quando o pet se vai: serviços fúnebres para animais

gato_funeral_enterro

03 nov Quando o pet se vai: serviços fúnebres para animais

A alegria e o prazer de ter um pet são tão imensos que compensam todos os nossos medos e anseios quando pensamos que, pelas regras da natureza, nossos bichos partem dessa vida antes de nós. Apesar de ser um assunto delicado, dar adeus ao seu animalzinho companheiro é tão importante quanto se despedir de um humano querido.

Não existe maneira de nos anestesiarmos perante a dor da perda – isto é um fato. No entanto, para lidar com o sofrimento e elaborar o luto, é extremamente importante que façamos o ritual de passagem do ser que se foi. Por isso, os rituais fúnebres são uma maneira de socializar nossa dor e simbolizar a morte de nossos amigos bichos.

Hoje em dia, é possível realizar o rito de passagem do seu querido pet de várias formas. “Temos a Cremação Individual (com devolução das cinzas), Cremação Coletiva (sem devolução das cinzas) e Sepultamento”, explica João Baptista, médico veterinário e gestor ambiental, especializado em serviços funerários pet, do Cemitério e Crematório Paraíso dos Bichos, em Embu das Artes.

O Paraíso dos Bichos trabalha com diversas espécies de bichinhos de estimação. “Por ser um Cemitério Pet, são aceitos somente animais de companhia, tais como: cães, gatos, papagaios, coelhos, hamsters, calopsitas e outros pequenos animais”, conta o médico veterinário.

Os valores vão depender do tipo de serviço escolhido (sepultamento, cremação individual ou coletiva) e do tamanho do animal que será sepultado. O sepultamento envolve serviço de remoção, sepultamento individual em gaveta vertical e velório na capela do Paraíso dos Bichos. Na cremação individual, as cinzas são devolvidas aos tutores do animal; já na coletiva, elas são distribuídas no jardim do próprio cemitério.

Como já era de se imaginar, o dia a dia no cemitério é repleto de histórias comoventes. “Uma poodle, sepultada conosco que era muito cheirosa e adorava banhos no petshop, foi sepultada repleta de perfumes e brinquedinhos. Há diversas manifestações de amor e companheirismo. É muito comum, quando os pets são visitados, serem presenteados com petiscos, ossinhos, flores e outros pertences que gostavam, além das mensagens mais lindas e profundas que nos emocionam cada vez que lemos. Somente quem tem pet entende essa relação”, relata João Baptista.

Todo mundo aqui entende bem essa relação, não é mesmo? Haja coração.

 

 

Por: Paula Soncela
Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.