Portal Melhores Amigos | Febre canina: como identificar e quais as possíveis causas
877
single,single-post,postid-877,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Febre canina: como identificar e quais as possíveis causas

febre_cachorro

28 set Febre canina: como identificar e quais as possíveis causas

Quando começamos a nos sentir febris, é relativamente fácil identificar os sinais: sentimos frio, mal-estar, falta de energia e até o nosso coração fica mais acelerado. Mas, o que fazer para descobrir se o seu cãozinho está com febre?

“A única maneira de identificar se o cão está com febre é aferindo a temperatura. Lembrando que a temperatura alta é um dos sinais de febre, que assim como nos humanos, são caracterizadas por fraqueza, inapetência e dor no corpo”, explica Miguel Ziegler, médico veterinário da clínica Stetic Dogs, de São Paulo.

Vale lembrar que a temperatura normal do cão é um pouco mais elevada que a nossa e pode variar de 38°C a 39,3°C. A melhor forma de aferir a temperatura canina é utilizando um termômetro digital introduzido no ânus do bichinho – claro que não é uma situação nada agradável para o animal, por isso é sempre bom ter a ajuda de outra pessoa para contê-lo e acalmá-lo, caso necessário.

Assim como acontece com os humanos, a febre não é uma enfermidade em si, mas sim um sinal de que tem algo estranho no organismo. “Os maiores causadores de febre são as infecções virais e bacterianas. É importante lembrar que a febre é um sintoma e não uma doença”, ressalta o médico veterinário.

Caso você tenha medido e temperatura do seu cãozinho e tenha constatado a febre, você terá que vencer seu lado hipocondríaco e jamais medicar seu pet sem consultar um profissional. “Primeiramente, deve-se tentar descobrir a causa da febre. Os antipiréticos são amplamente utilizados para o alívio dos sintomas. Mas lembre-se: sempre com orientação de um médico veterinário”, frisa Dr. Miguel.

Portanto, não façamos com nosso cão o que fazemos com nós mesmos: nada de “automedicação” canina. Seu pet agradece.

 

 

Por: Paula Soncela
Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.