Portal Melhores Amigos | Doenças comuns que atingem répteis
2462
single,single-post,postid-2462,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Doenças comuns que atingem répteis

repteis-doencas_dominio-publico

09 jan Doenças comuns que atingem répteis

Ter um réptil como pet tem lá suas vantagens: são silenciosos, não tem muito problema em ficar sozinhos e podem trazer cores diferentes para dentro de casa. Mas como todo animal, requer cuidados, sobretudo para evitar que fiquem doentes. Selecionamos algumas doenças mais comuns entre répteis

O médico-veterinário Alessandro Bijjeni, especializado em répteis, elencou alguns problemas que afetam esses animais. Veja alguns casos:

Pneumonia e infecções respiratórias, causadas por bactérias, vírus, fungos ou parasitas. Alguns sintomas são dificuldade em respirar, secreção nasal, boca aberta, respiração com sibilos incomuns, letargia, perda de apetite e de peso. As infecções respiratórias são muito comuns quando os répteis são mantidos em ambientes sujos ou não têm acesso a temperaturas e níveis de umidade adequados. Problemas nutricionais e parasitas pulmonares, por exemplo, também podem predispor o aparecimento de doenças respiratórias.

Hiperparatireoidismo Nutricional Secundário, chamada também de doença ósteo metabólica e muito conhecida como MBD (Metabolic Bone Disease). É uma doença óssea metabólica causada por desequilíbrio dos níveis de cálcio, fosforoso e vitamina D. Répteis onívoros e herbívoros são mais susceptíveis à doença.  Os sintomas típicos são andar mancando, membros arqueados, flexibilidade de mandíbula e maxilar (”mandíbula de borracha” é o termo popular), desvios em coluna e outros ossos, apatia, perda de peso, desidratação, endurecimento dos tecidos moles. Uma dieta balanceada com as vitaminas necessárias para a boa saúde do animal é melhor indicação, bem como fornecimento correto de iluminação ultravioleta (natural ou artificial).

Retenção de ovos (Distocia), ou seja, dificuldade de colocar ovos. Isso pode acontecer em répteis por deficiência de cálcio, traumas e até mesmo ausência de locais propícios para postura dos ovos. Em casos assim, o animal costuma ficar apático, letárgico e inapetente, mas geralmente só após alguns dias.

Hipovitaminose A, geralmente acomete tartarugas alimentadas de maneira inadequada. O animal apresenta aumento do globo ocular e fica sem apetite. Para prevenir, basta oferecer alimentação balanceada e de qualidade,  informação que o médico-veterinário deverá ser capaz de fornecer.

Portanto, fique atento com o seu pet. Sempre é importante ter em mente que a consulta regular a  um médico-veterinário é a melhor maneira de prevenir ou tratar das doenças.

Da Redação
Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.