Portal Melhores Amigos | Comportamento reprodutivo dos canários: como criar um casal
2751
single,single-post,postid-2751,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Comportamento reprodutivo dos canários: como criar um casal

canarios_casal_2_dominio-publico

10 abr Comportamento reprodutivo dos canários: como criar um casal

Canários são pássaros maravilhosos para ter em casa. São pets fáceis de cuidar e manter, e ficam relativamente bem mesmo quando estão sozinhos. Entretanto, no departamento da reprodução, a coisa não é tão simples. Criar um casal de canários requer um planejamento antecipado, equipamento específico e muito cuidado por parte dos donos.

Estes passarinhos atingem sua maturidade sexual já aos oito meses, e ela chega à plenitude entre um e dois anos de idade. A reprodução não deve ultrapassar os oito anos. Segundo a médica-veterinária Magda Izidio de Souza, da Clínica Veterinária Fênix, “com a idade, começam a surgir alterações genéticas nas ninhadas, podendo gerar filhotes com alguma deficiência. E os donos devem evitar, a todo custo, a consanguinidade. Às vezes, a pessoa começa com um casal, nascem os filhotes, e eles ficam todos juntos. O tutor perde o controle de quem é pai, filho, irmão, e esta consanguinidade traz alterações genéticas aos filhotes.”.

O dono de um casal pode tentar fazer a reprodução deles em casa. Um ambiente totalmente isolado é necessário, além de ser silencioso e ter a luz controlada. A época do ano de reprodução é a de maior luminosidade. Normalmente, de junho a dezembro, sendo que o período mais forte é de junho a agosto.

Chegado este período, o dono deve pegar seu casal de canários e colocar em uma gaiola que tenha uma divisória dentro, para avaliar como será o comportamento do macho. Para ser um bom pai, ele deve começar a alimentar a fêmea nesta época de acasalamento. Magda explica o processo: “ela vai emitir alguns sons e ruídos pedindo para ele alimentá-la. Isto que demonstra se ele será um bom pai ou não. É uma seleção natural”.

O macho vai fazendo esta alimentação através da grade mesmo. Ao mesmo tempo, a fêmea vai preparando o ninho. “O dono deve colocar pedacinhos pequenos de estopa na gaiola. Um tamanho de 5 por 5 cm é o suficiente. A fêmea vai desfiando esta estopa e tecendo o ninho dela”.

Quando ela terminar o ninho, é hora de tirar a divisória da gaiola para iniciar o acasalamento. Em seguida, a fêmea começa a botar os ovos – em média, de três a cinco. Segundo Magda, “alguns profissionais retiram os ovos e os substituem por ovos de plástico até que a fêmea tenha botado o último ovo. Neste momento eles trocam novamente os ovos de plástico pelos verdadeiros, para que a fêmea choque todos juntos, e os filhotes possam nascer ao mesmo tempo. Será uma ninhada mais uniforme. Uma atitude extremamente inteligente e prática”.

Os ovos dos canários demoram entre 13 e 15 dias para eclodir. Mas, ao longo deste período, eles vão ficando mais ressecados, com a casca mais porosa. É necessário que eles estejam cercados pela umidade necessária para poderem eclodir. “A casca precisa amolecer, facilitando a ruptura dela. O ideal, então, é o proprietário colocar uma pequena banheira dentro da gaiola. A ave se molha e deita no ninho, molhando, assim, os ovos. Com isso, eleva a umidade deles para até 70 ou 80%. Se ela não o fizer, é possível também colocar uma esponja umedecida embaixo do ninho”.

Nascimento dos canarinhos

Finalmente, chega o momento tão esperado. Os filhotes nascem e, nos primeiros dias, são alimentados exclusivamente pela fêmea. Depois, o macho também passa a fazer parte desta rotina. Após 15 dias, em média, eles começam a amadurecer; abrem os olhinhos e se movimentam. Apesar de lindinhos, o dono precisa se conter para não mexer muito neles durante estes primeiros dias. Além disso, é preciso tomar cuidado com ruídos no local, para não estressar os filhotes e nem a mãe.

Após pouco mais de vinte dias, os passarinhos começam a bicar alimentos. Aí o tutor pode colocar farinhada, frutas e verduras para comerem. Perto de um mês, mais uma conquista: eles começam a descascar sementes.

Mas o trabalho dos tutores não para por aí, como alerta Magda: “com 25 dias, a fêmea entra em processo de ninho e cobertura novamente. Se os filhotes ficarem juntos com os pais durante este período, eles terão suas penas arrancadas para a construção do novo ninho!”. Novamente a divisória da gaiola vai ser utilizada. Portanto, os filhotes devem ficar separados, para que possam continuar sendo alimentados pelos pais, sem sofrer esta mutilação.

Da Redação
Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.