Portal Melhores Amigos | Como preparar um gato para a chegada do bebê
4320
single,single-post,postid-4320,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Como preparar um gato para a chegada do bebê

24_Out

14 out Como preparar um gato para a chegada do bebê

Tudo pronto para a chegada do bebê? O quarto foi reformado, os produtos, comprados, e a rotina, completamente redesenhada. Bem, só falta uma coisa: preparar o gatinho de casa, que não parece tão ansioso assim para recepcionar o novo membro da família.

 

Felinos que são, gatos primam pela desconfiança e têm alguma dificuldade para se adaptar a mudança. Ah, e eles gostam de atenção, mais um fator que tende a ficar mais escasso quando o bebê finalmente nascer.

 

“Eles ainda mantém suas características de animal territorial, caçador e silencioso. Sendo assim, não se sentem confortáveis quando o as coisas fogem de sua rotina”, afirma Vanessa Zimbres, médica veterinária especializada em gatos. “Com a chegada do bebê, toda essa rotina é alterada e novas informações são colocadas frente ao gato, como novos cheiros, barulhos… tudo o que desestabiliza o ambiente do felino”.

 

Mas há formas de tornar essa transição um pouco mais tranquila. Vamos a elas?

 

Respeite seu espaço

 

Se possível, evite trocar o local onde o gatinho dorme ou faz suas necessidades. Assim, ao mesmo tempo em que se adapta a diversas mudanças, ele poderá ver que algumas coisas permanecem iguais, o que facilitará todo o processo.

 

Se o acesso a algum cômodo será proibido quando o bebê nascer, o melhor a fazer é acostumá-lo com essa limitação ainda durante a gestação. Porém, se o quarto do bebê for ficar aberto, o melhor é já adaptá-lo aos novos elementos do “território”, como roupas e móveis.

 

Cheiros

 

Antes de sair do hospital e ir com seu filho para casa, que tal pegar uma peça de roupa com o cheiro da criança e levá-la para o felino cheirar? Essa é uma forma eficaz de fazê-lo se acostumar a esse novo cheiro.

 

Você pode também colocar panos com o cheiro da criança em locais de uso habitual do bichano, como embaixo da vasilha de comida ou na caminha. Assim, ele associará o cheiro do nenê a situações agradáveis.

 

Dê carinho e atenção

 

Durante a gestação ou após o nascimento, haverá menos tempo disponível para dedicar ao bichano, o que é absolutamente normal. Ele entenderá essa nova realidade, desde que receba algum carinho, alguma atenção. Lembre-se: todo animal de estimação, por mais independente que seja, quer se sentir amado.

 

Brinquedos e petiscos são ótimos aliados nessa adaptação.

 

Uma nova rotina

 

Antes de o bebê chegar, você já pode tentar adaptar a rotina do gatinho – em vez de, por exemplo, tentar compensar a futura carência com excesso de mimos. Defina antecipadamente os melhores momentos para brincadeiras ou alimentação. Reduza também o tempo que ele passa no seu colo, pois isso deverá ficar mais raro – principalmente nos primeiros meses. Em troca, forneça um local bem confortável para ele descansar e receber carinho.

 

Aproximação

Permita que o pet se aproxime do bebê, esteja ele no colo ou no berço. Supervisione esse encontro e certifique-se de ele ocorra com calma e sem movimentos bruscos. Leve em conta, claro, a personalidade do seu pet.

 

O choro ou a movimentação poderão gerar reações no gato, como medo ou curiosidade. Ele não deve ser punido, mas educado; recompense com petiscos ou carinho toda vez que demonstrar afeto ou familiaridade com o bebê.

 

“Os gatos são animais inteligentes e respeitam quem não oferece ameaça”, diz Vanessa. “E, melhor ainda, uma criança que cresce com um gato se torna mais tranquila, pois, para ter a companhia do felino, precisa respeitar o tempo do animal. Com respeito mútuo, crianças e gatos podem ter uma ótima convivência”.

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.