Portal Melhores Amigos | Britânico de Pelo Curto: conheça este bibelô felino
626
single,single-post,postid-626,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Britânico de Pelo Curto: conheça este bibelô felino

pelo_curto_britanico_gato

21 jul Britânico de Pelo Curto: conheça este bibelô felino

Ele é inglês, bochechudo e já foi até coadjuvante em filme de terror – se você assistiu a “Cemitério Maldito”, do Stephen King, já sabe de quem estamos falando. O British Shorthair (também conhecido como Britânico de Pelo Curto ou Gato de pelo curto inglês) é o ser peludo de quem vamos falar hoje.

Provavelmente, é a raça inglesa mais antiga de que se tem notícia – segundo registros, ela descende dos gatos domésticos de Roma. Eram considerados “gatos de rua” na Inglaterra, até maio de 1980, quando foram oficialmente reconhecidos como uma raça.

Eles têm o porte grande, o corpo robusto, possuem olhos bem arredondados e são “ronronadores” natos – ou seja, praticamente ursos de pelúcia felinos. Seu amadurecimento é lento e, por isso, só chegam ao seu tamanho adulto por volta dos três anos de idade.

São relativamente calmos quando maduros, no entanto, sua personalidade pode variar. “As características comportamentais de um animal, em particular dos gatos, dependem fundamentalmente do que denominamos de período sensível, que vai da quarta até a oitava semana de vida. Nas semanas sucessivas, a potencialidade do referido período vai decaindo no seu efeito sobre a vida futura desse animal”, explica Gelson Genaro, professor universitário do Centro Universitário Barão de Mauá, de Ribeirão Preto, especialista em bem-estar felino.

De qualquer forma, os British Shorthair se adaptam facilmente a um novo ambiente, se dão bem com outros animais e costumam ser muito amáveis – só não gostam muito de ser transportados. Também não são lá grandes malabaristas e, por vezes, são desajeitados nas brincadeiras. “De modo geral, esta raça, em particular, é bem independente e soberana nas relações com seus cuidadores”, conclui Gelson.

 

 

 

Por: Paula Soncela
Nenhum Comentário

Postar um comentário