Portal Melhores Amigos | Atividade Assistida por Animais: como os cães melhoram a vida dos idosos
533
single,single-post,postid-533,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Atividade Assistida por Animais: como os cães melhoram a vida dos idosos

destaque

01 jun Atividade Assistida por Animais: como os cães melhoram a vida dos idosos

Já falamos das maravilhas que a terapia e a educação assistida por animais podem prover para nós, seres humanos. Agora, chegou a vez de você conhecer como funciona a Atividade Assistida por Animais – também conhecida como AAA – associada ao cuidado com pessoas institucionalizadas, principalmente, idosos.

“A AAA  abrange intervenções com animais selecionados com o objetivo de sociabilização, aumento da autoestima, diminuição de stress em ambientes comprometidos por internações hospitalares e manutenção de assistidos (idosos ou crianças) em abrigos e creches”, esclarece Sílvia Jansen, bióloga, fundadora e presidente honorária do Instituto para Atividades, Terapias e Educação Assistida por Animais de Campinas (ATEAC).

Segundo a bióloga, “não há necessidade de uma equipe completa com profissionais da área humana, mas é aconselhado que haja o acompanhamento de um psicólogo, além de voluntários e animais”.

No cuidado com idosos institucionalizados, a AAA é essencial para ajudar a deixar o ambiente mais acolhedor e reduzir os fatores estressantes. “Os idosos são beneficiados pela troca de carinho com animais e voluntários, diminuindo a carga de stress de um ambiente que não é a sua casa. Já que muitos não recebem mais visitas de familiares, eles podem trabalhar a memória vivenciando um passado, onde tinham seus próprios animais”, conta Sílvia.

O cão que trabalha com AAA deve ser avaliado e receber treinamento apropriado para fazer parte do trabalho. Contudo, até cãezinhos que foram adotados de abrigos podem estar aptos a executar o serviço. “Cães de abrigo podem ser usados para trabalhar em AAA, desde que passem por um período de um ano para análise de sua saúde e comportamento (com base nas informações do Delta Instituto/EUA)”, conclui a bióloga.

 

 

 

 

Por: Paula Soncela

2 Comments

Postar um comentário