Portal Melhores Amigos | Acará-bandeira: em um aquário perto de você
E além de tudo é muito bonito e tem uma vida prolongada. O Acará-bandeira (Pterophyllum scalare) é originário dos rios da Amazônia e, apesar de se dar melhor em climas quentes, tolera águas de temperaturas mais amenas, o que talvez explique, em parte, sua popularidade em todo o Brasil e em vários outros países.
1649
single,single-post,postid-1649,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Acará-bandeira: em um aquário perto de você

peixe

13 jun Acará-bandeira: em um aquário perto de você

Você, provavelmente, já viu este peixe. Ele é um verdadeiro arroz de festa, sendo figurinha carimbada dos aquários caseiros. E além de tudo é muito bonito e tem uma vida prolongada. O Acará-bandeira (Pterophyllum scalare) é originário dos rios da Amazônia e, apesar de se dar melhor em climas quentes, tolera águas de temperaturas mais amenas, o que talvez explique, em parte, sua popularidade em todo o Brasil e em vários outros países.

O formato do Acará-bandeira é inconfundível, possui nadadeiras longas e corpo achatado. Ele chega a atingir 12 cm de comprimento na fase adulta, tem comportamento tranquilo e costuma se dar bem com outras espécies, sendo ideal para embelezar aquários que já contam com outros peixes.

Há várias categorias de Acará-bandeira (e preços variados também). Os mais comuns são os tipos: Selvagem, de tom prateado e listas escuras; Ouro, com o corpo totalmente dourado; Fumaça, de cor escura, assim como suas listras; Marmorato, com o corpo escuro e manchas que lembram mármore; Palhaço, com o corpo claro e manchas escuras; Zebra, totalmente listrado; Negro e Albino.

O Acará-bandeira se alimenta de tudo, mas é necessário tomar alguns cuidados. Os adultos podem comer comida viva, como: camarão fresco moído, pequenos crustáceos de água doce e larvas de inseto, já os alevinos podem se banquetear, duas vezes ao dia, até a segunda semana após a eclosão das larvas, com infusórios e náuplios de artêmia. Após esta fase, a alimentação do peixinho é substituída aos poucos por ração em pó.

Como obter ninhadas?

Se o objetivo não for apenas embelezar um aquário, mas gerar ninhadas de pequenos Acarás-bandeiras, devem ser tomados alguns cuidados. Não adianta apenas juntar uma fêmea e um macho. Alguns criadores recomendam colocar em um mesmo ambiente o mínimo de seis peixes para a formação de casais, enquanto outros falam em 10. Eles devem ser mantidos em aquários grandes, com dimensões entre 60x40x40 cm, sem cascalho ou qualquer outro substrato, e também sem outras espécies. A temperatura da água deve ficar em torno dos 26°C, mas pode variar entre 24°C a 28°C, e seu pH ideal varia entre 6.8 e 7.0. Se estas condições forem respeitadas, em pouco tempo é possível observar a formação dos casais, que se isolam do resto do grupo.

O Acará-bandeira está pronto para a reprodução quando chega a 12 meses de idade, e a fêmea pode desovar de 100 a 600 ovos por vez, que grudam em superfícies lisas. Em um prazo enxutíssimo, de até 48 horas, as larvas eclodem.

Apesar de ser um peixe boa-praça, o Acará-bandeira pode acabar comendo os ovos devido ao estresse. Neste caso, alguns especialistas defendem a inserção de canos de PVC cortados ao meio dentro do aquário, para que os ovos grudem neles. Assim, fica bem fácil levá-los para outro aquário, longe dos pais.

 

 

 

 Caio Ramos
Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.