Portal Melhores Amigos | Abelhinha: você vai se encantar com esse simpático peixinho
Basta ver um peixe abelhinha para entender o porquê do nome fofo. Preto com listras amarelas, o peixinho mais parece estar usando uma fantasia de nossas amiguinhas produtoras de mel.
1584
single,single-post,postid-1584,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Abelhinha: você vai se encantar com esse simpático peixinho

peixe

20 mai Abelhinha: você vai se encantar com esse simpático peixinho

Basta ver um peixe abelhinha para entender o porquê do nome fofo. Preto com listras amarelas, o peixinho mais parece estar usando uma fantasia de nossas amiguinhas produtoras de mel. Com cores bem características, possui corpo alongado e redondo, além de nadadeiras especiais na barriga. Estas estruturas possuem formato de concha, permitindo, assim, que o peixe grude em rochas, madeira e no vidro do aquário.

Segundo o biólogo e aquarista Diego Hernandez Castro, do S.O.S Aquários, o abelhinha não corresponde a apenas uma espécie, mas varias da família dos gobídeos – um grupo de peixes bastante extenso, caracterizado por criaturinhas pequenas que preferem permanecer no substrato.

Natural da Ásia, o abelhinha é um peixe delicado, e certos cuidados devem ser tomados para que o animal se mantenha saudável. Segundo Diego, o aquário deve ter, no mínimo, 30 litros de capacidade e precisa ser preenchido com água salobra, plantas altas formando zonas sombrias e muitos cantinhos, tocas e esconderijos onde o abelhinha irá demarcar e defender território, como se fosse um cãozinho. Fatores como o pH da água – que deve ser mantido entre 7,2 a 8,5 – e a temperatura (24°C a 30°C) também são importantes.

Apesar de territoriais, estes simpáticos peixinhos não são agressivos e preferem ficar “estacionados” no fundo do aquário ou grudados no vidro a muita agitação. 

No quesito alimentação, são bastante exigentes. Muitos peixinhos não aceitam alimentos secos. Portanto, devem ser alimentados com pequenos animais, como minhocas e larvas de mosquito, além de crustáceos como artêmia, dáfnia e cyclop.

O macho é menor e mais colorido do que a fêmea, que é, em geral, mais redondinha. Estas diferenças ficam mais claras na época de reprodução, que é rara em aquários e deve ser cercada de cuidados especiais, como a separação dos pais dos pequeninos peixes quando estes saem dos ovos e se transformam em alevinos, evitando assim o canibalismo.

Essas fofuras não são muito fáceis de serem encontradas, mas uma busca em lojas especializadas do ramo pode ser uma boa pedida. O importante é procurar um lugar idôneo e reconhecido por tomar os cuidados necessários à manutenção do bem-estar dos peixes.

Você tem um amigo louco por peixes? Compartilhe este artigo com ele!

Glísia de Souza
Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.