Portal Melhores Amigos | A guarda dos animais em caso de separação do casal
3506
single,single-post,postid-3506,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

A guarda dos animais em caso de separação do casal

couple-336655_1920

23 mar A guarda dos animais em caso de separação do casal

A separação e o divórcio são momentos de grande angústia. Mas, quando o casal tem um animal de estimação amado por ambos, a situação fica ainda mais complicada. A Justiça brasileira vem permitindo que haja convívio dos dois com o animal, mas não necessariamente guarda compartilhada.

O advogado Danilo Montemurro, especialista em Direito de Família, explica que a custódia será dividida igualmente entre os donos do animal segundo o interesse das partes e a melhor necessidade do próprio animal. As despesas também devem ser partilhadas igualmente, como custos com alimentação, veterinário e outros.

“O Judiciário tem enfrentado este tipo de questão com certa frequência e a solução é justamente a divisão do direito que cada um dos donos tem em relação ao animal, como também a necessidade dele, considerando na fixação da custódia quem melhor tem condição de cuidar”, afirma Montemurro.

Apesar de não ser o mais comum, alguns juízes têm estabelecido a guarda compartilhada. Em 2016, o juiz Fernando Henrique Pinto, da 2ª Vara de Família e Sucessões de Jacareí (SP), estabeleceu a guarda alternada de um cão entre ex-marido e ex-mulher.

O juiz reconheceu o animal como sujeito de direito nas ações referentes às desagregações familiares. “Diante da realidade científica, normativa e jurisprudencial, não se poderá resolver a ‘partilha’ de um animal (não humano) doméstico, por exemplo, por alienação judicial e posterior divisão do produto da venda, porque ele não é mera ‘coisa’”, explica o advogado.

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.