Portal Melhores Amigos | Só plaquinha de identificação não adianta: saiba como proteger seu pet de verdade
4300
single,single-post,postid-4300,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Só plaquinha de identificação não adianta: saiba como proteger seu pet de verdade

02_Out

30 set Só plaquinha de identificação não adianta: saiba como proteger seu pet de verdade

Placas de identificação são muito úteis em caso de fuga do animal, mas podem cair e, portanto, não devem ser as únicas medidas para garantir a segurança de seus bichinhos.

Para a médica veterinária Fabiana Pozzuto Poppi, proprietária da PoppiVet Clínica Veterinária (www.poppivet.simples.vet.br), em Campinas/SP, a coleira, o microchip, o RG Pet e até o comportamento dos tutores podem fazer a diferença na hora de evitar uma fuga ou encontrar seu cão ou gato.

“Muitos clientes relatam que o animal sai na rua para passear sozinho e volta quando quer. A orientação é que não deixem os cães terem acesso à rua sem coleira, mesmo na presença do dono. Muitos são os casos de furto, atropelamento, envenenamento, maus-tratos e fugas, além de doenças adquiridas pelos cães, devido à falta desse cuidado”, afirma Fabiana, que é especializada em clínica médica de felinos pela Qualittas e doutoranda em cirurgia veterinária pela UNESP/FCAV Jaboticabal.

Para os felinos, o risco é maior ainda: um “simples” passeio à rua, bem como telhados e quintais não telados pode se tornar um grande perigo. “Durante brigas (disputa de território e fêmeas para acasalamento) e também ‘inocentes’ lambidas de carinho, pode ocorrer a disseminação de doenças virais, como o vírus da imunodeficiência felina (FIV) e/ou vírus da leucemia felina (FeLV), que não têm cura, entre outras viroses e infestações”, afirma a profissional.

Chip e RG

Para Fabiana, a microchipagem do animal também é uma importante medida. “A identificação eletrônica é uma forma definitiva, efetiva e segura de cadastrar o responsável pelo animal. A aplicação é simples e rápida e o microchip nunca se perde. A identificação eletrônica tem se tornado obrigatória por lei no Brasil e em todo o mundo”, afirma.

Ela também cita a importância de ter documentação oficial dos animais, com a ajuda de plataformas para o registro geral dos pets – o chamado RGA (Registro Geral Animal). Como exemplo, cita o RG PET, do Instituto Pet Brasil. “O RG Pet é um bom exemplo de sistema de cadastramento de animais de estimação: por meio de um número individual, associa várias informações cadastrais do animal e de seu dono, garantindo a identificação dos animais através de chip ou sistema biométrico”, diz.

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.