Portal Melhores Amigos | Seu bichinho também merece um RG: conheça o RG Pet
4380
single,single-post,postid-4380,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Seu bichinho também merece um RG: conheça o RG Pet

23_Jan

09 dez Seu bichinho também merece um RG: conheça o RG Pet

A coleira é o método de identificação mais popular entre os tutores. Existe, no entanto, uma alternativa mais precisa e confiável: o microchip.

O ideal é que ele seja integrado com um sistema nacional de cadastramento de pet. É aí que o RG Pet entra. Ele vincula diversas informações do animal e de seu tutor, concentrando todo o histórico e atividades principais em um único local.

Para obtê-lo, é bem simples. Basta realizar o cadastro no site para que um número de RG PET lhe seja atribuído. Em seguida, escolha um médico veterinário, pet shop ou clínica (de confiança, claro) para finalizar o processo via implantação de microchip. Ah, não se esqueça de informar o número do RG Pet no momento do procedimento!

O RG Pet funciona também com o sistema biométrico, que é desenvolvido com exclusividade pelo Instituto Pet Brasil.

Mas, afinal, como funciona o microchip?

O microchip é muito pequeno (do tamanho de um grão de arroz ) e, por ser envolvido por uma cápsula de vidro biocompatível, dificilmente provoca alergias ao pet. É inserido uma única vez, com a ajuda de uma seringa especial, e nem sequer possui bateria. Fica completamente inerte e só exibe um sinal quando provocado pelo leitor.

O procedimento é relativamente barato, em torno de R$100, rápido e praticamente indolor, não exigindo o uso de anestesia. É indicado para qualquer cão ou gato, independentemente do tamanho. Recomenda-se, porém, que o chip seja implantado a partir dos dois meses de idade.

Mais segurança para você e seu pet

O microchip conta com um código exclusivo e inalterável, que revela dados importantes como o nome do tutor, seu telefone e endereço. Por isso ele é tão importante para casos de furto ou fuga.

Para acessar as informações do microchip, a pessoa que encontrar o pet deve levá-lo até um local que dispõe de um leitor exclusivo para esse fim, como clínicas veterinárias, abrigos e órgãos governamentais.

Vale ressaltar porém que, ao contrário do que alguns tutores pensam, não é possível encontrar a localização do pet através do dispositivo. Trata-se de um sistema de identificação, não de monitoramento.

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.