Portal Melhores Amigos | Pessoas idosas podem conviver sem problemas com répteis?
3012
single,single-post,postid-3012,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Pessoas idosas podem conviver sem problemas com répteis?

13_07_Répteis

14 jul Pessoas idosas podem conviver sem problemas com répteis?

Ter um lagarto ou uma cobra como animais de estimação pode ser recomendado para idosos, desde que se tome alguns cuidados

Os benefícios dos bichinhos de estimação às pessoas da terceira idade já são bastante conhecidos. Além de serem companhia constante, exigem cuidados básicos, fazendo com que os idosos se sintam capazes e responsáveis, melhorando sua auto-estima. Isso é bastante comum para cães e gatos, mas e quando o pet é um réptil?  Será que pode?

A médica-veterinária Thalita Queté, especializada em animais silvestres e exóticos do Centro Veterinário Queté (https://cvquete.com.br/) não vê problemas entre idosos e répteis, desde que se tome algumas precauções. “Pessoas idosas podem ter qualquer tipo de réptil de estimação, mas precisam tomar alguns cuidados, como lavar sempre as mãos depois de manusear o animal e limpar o terrário, pois elas costumam ter imunidade um pouco mais baixa, então ficam doentes com mais facilidade”, recomenda Thalita.

Outra coisa bastante importante, segundo a médica-veterinária, é manter o ambiente do animal limpo, o que é fundamental para a saúde do pet. Ainda de acordo com ela, quando acostumados ao manuseio, mesmo no caso de cobras e lagartos, eles não têm comportamento agressivo e costumam ficar bem tranquilos. “Mas isso varia conforme a espécie, então é importante ler sobre esses répteis antes de adquiri-los”.

A especialista não recomenda que uma pessoa de idade manuseie animais peçonhentos. Dado seu comportamento mais agressivo, os idosos podem não conseguir ter reflexo adequado para evitar acidentes.

Idosos e répteis podem ter tudo a ver, já que ambos podem se beneficiar da companhia e dos cuidados um do outro. Basta, portanto, tomar as devidas precauções e levar periodicamente o pet para consultas de rotina em clínicas veterinárias.

Da Redação

 

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.