Portal Melhores Amigos | No calor é preciso ficar atento às infestações e pulgas e carrapatos
4404
single,single-post,postid-4404,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

No calor é preciso ficar atento às infestações e pulgas e carrapatos

16_Jan

17 dez No calor é preciso ficar atento às infestações e pulgas e carrapatos

O calor que chega junto com o verão aumenta a possibilidade da proliferação de parasitas nos cães e gatos, principalmente pulgas e carrapatos. Segundo o médico veterinário Ricardo Gardim, isso acontece porque “esses parasitas precisam de calor e umidade para se reproduzirem e sendo assim os meses entre dezembro e março são mais suscetíveis a infestações.”

Ricardo explica que há maneiras diferentes de infestações. O contato com outros animais é uma das mais comuns. “Alguns cães pegam parasitas durante passeios por ruas e parques, e até mesmo em visitas ao petshop”, lembra.

Mas existe a possibilidade, segundo veterinário, da infestação em casa. “É importante saber que quando falamos de infestação por pulga, apenas 5% das delas estão no animal na fase adulta. Os outros 95% estão no ambiente, nas formas de ovos, larvas e pulpas”, explica. “Os tutores de cães e gatos levam essas pulgas para dentro de casa em seus calçados ou mesmo através do contato com outros animais infestados. Por isso, mesmo animais que raramente saem de casa devem usar produtos preventivos para pulgas e carrapatos”.

E, além da coceira, provocada pela alergia à picada. as pulgas são responsáveis por transmitirem o Dipilidium canis (um tipo de parasita intestinal), puliciose (alta infestação por pulgas), que podem causa anemia principalmente em filhotes e em animais debilitados, alerta Ricardo.

Já carrapato, lembra o veterinário, é transmissor de doenças transmitidas por protozoários (Babesiose) e por bactérias (Erliquiose). A Babesiose infecta e destrói glóbulos vermelhos e a Erliquiose destrói glóbulos brancos. “São doenças de ocorrência mundial e podem levar os animais a desenvolverem manifestações clínicas variáveis que se não diagnosticadas e tratadas no início levam o animal a óbito”.

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.