Portal Melhores Amigos | Meu cão está resfriado. E agora?
4219
single,single-post,postid-4219,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Meu cão está resfriado. E agora?

Post_portalmelhoresamigos_6

10 jul Meu cão está resfriado. E agora?

Uma ocorrência frequente que observamos nos nossos pets são espirros. Esses sintomas estão relacionados com o sistema respiratório, mas não necessariamente com resfriado. Várias doenças podem acometer o animal de estimação, principalmente nesse período de inverno, diversas as patologias ligadas a espirros, segundo o médico veterinário Leonardo Giovanetti Neto, da Med Center Pet Barueri, na Região Metropolitana de São Paulo. “Cada uma delas deve ser levada em conta observando o tipo de secreção que produz no final de cada episódio de espirros”, explica. “Quando percebemos secreções transparentes, as patologias normalmente são mais brandas, mas caso se tornem purulentas (presença de pús) ou até sanguinolentas devemos redobrar a atenção para o problema e não hesitar em procurar socorro médico”.
Nas estações mais frias esses problemas aparecem com mais frequência mas não devido a diminuição de temperatura da estação e sim devido a baixa umidade do ar, afirma o veterinário. “O nosso inverno tem essa característica de apresentar menos umidade relativa do ar, por isso recomendamos umidificar o ambiente com uma toalha molhada, um recipiente  com água ou com  umidificadores que ajudam evitar o ressecamento das vias aéreas dos animais dificultando a penetração de microorganismos”, orienta Giovanetti.
As doenças mais comuns, que podem ser assemelhadas a resfriados, são alergias, sinusites, influenzas (gripe), neoplasias (tumores), rinotraqueítes e algumas viroses como a cinomose, doença altamente transmissível entre os cães e que ao longo da sua evolução passa também por uma fase respiratória provocando sintomas que lembram gripe e com secreções purulentas nasais e oculares que jamais devem ser ignoradas pelos seus tutores. “Para diferencia-las recomendamos que procure um veterinário que fará o diagnóstico mais preciso e vai tratar de forma adequada o problema”, diz.

 

Prevenção
Giovanetti afirma que o método mais recomendado para evitar esses distúrbios é a imunização através de vacinação contra influenzas e parainfluenza em cães e rinotraqueíte em gatos, doença que se dissemina em larga escala quando se tem um animal doente entre outros felinos sadios. “Ela é caracterizada exatamente de forma idêntica aos resfriados, apresentando espirros, lacrimejamento bilateral, coriza seguida de congestão nasal”, lembra o veterinário.
Em casos de sinais clínicos que lembram um resfriado, Giovanetti orienta o tutor a procurar um veterinário para poder esclarecer e orientar tanto as causas como os protocolos de tratamentos para o problema. “E em muitos casos prevenir muitas patologias através de imunização conferidas pela vacinação de seus pets”.

 

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.