Portal Melhores Amigos | Criadores têm orientação de instituições internacionais para manterem o padrão das raças dos animais de estimação
3756
single,single-post,postid-3756,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Criadores têm orientação de instituições internacionais para manterem o padrão das raças dos animais de estimação

Criadouro

24 ago Criadores têm orientação de instituições internacionais para manterem o padrão das raças dos animais de estimação

Conhecimento total da raça que cria ou deseja criar; evitar excesso de “inbreending”, ou seja, a cruza entre parentes muito próximos; conhecer as doenças características de cada raça e fazer sua criação tentando ao máximo evitá-las, o que pode ser possível quando se tem esse conhecimento. Esses são pontos fundamentais quando se fala em procriar animais de estimação.

 

De acordo com o vice-presidente da Confederação Brasileira de Cinofilia (CNKC), Fábio Moreira Amorim, os criadores de animais de estimação que seguem as orientações das instituições nacionais e internacionais são fundamentais para garantir a continuidade dos padrões das raças. Já acasalamento aleatório dos pets pode desvirtuar uma raça.

 

O criador expositor, segundo Amorim, busca comparar seus exemplares com os concorrentes de todas as partes do mundo, com o objetivo de chegar o mais perto possível dos padrões das raças. “Ele esta sempre atento às alterações naturais e desenvolvimento dos exemplares e ao melhoramento genético.”

 

Por isso, segundo o dirigente, o tutor de um exemplar cuja origem vem de um criador tem mais subsídio para continuar esse trabalho do que se comprar um exemplar fruto de acasalamento aleatório. Dessa forma, lembra Amorim, “ele terá sempre um respaldo das entidades filiadas, um suporte da idoneidade da origem do exemplar, e mais dados sobre toda árvore genealógica do exemplar, portanto, cães com procedência de criadores renomados no mercado são menos propensos a doenças, e tem nos genes mais aptidão para a função do que cães sem procedência ou mestiços”.

 

“Resumindo, o ponto fundamental é o conhecimento profundo da raça, pois dessa forma suas características serão mantidas, será feita uma criação com consciência, visando o bem estar do animal, alimentação correta e vida saudável”, alerta o médico veterinário Marcelo Francelino, diretor técnico do kenel clube São Paulo.

 

A CBKC  é filiada à Federação Cinológica Internacional – FCI, entidade que determina como são os padrões das raças de cães no mundo todo. Qualquer alteração nos padrões das raças é estudada pelo país de origem por anos e eventualmente são determinadas através de alterações ligadas à função das raças como também objetivando a saúde dos exemplares.

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.