Portal Melhores Amigos | Costiose: sinais, tratamento e dicas
2373
single,single-post,postid-2373,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Costiose: sinais, tratamento e dicas

peixe

08 dez Costiose: sinais, tratamento e dicas

Comprar um novo peixinho é sempre um momento de muita alegria para quem possui aquário ou tanque. Mas, o que era para ser uma hora gostosa, pode se transformar numa dor de cabeça tremenda, já que muitos peixes podem vir para sua casa trazendo certas doenças. Entre elas, a Costiose, também conhecida como Ictiobodose.

A Costiose é relativamente comum neste pequeno animal, podendo, em alguns casos, causar infestação nos peixes. Os sinais vão desde um corpo opaco até lesões hemorrágicas na pele nos estágios mais avançados da doença, que pode ficar em carne viva. Ela é causada por um pequeno protozoário, denominado Ichthyobodo necator, que pode ser trazido para seu aquário quando introduzimos peixes doentes.

O principal sinal clínico é a mudança de comportamento dos peixinhos infestados, que ficam apáticos, nervosos e com as nadadeiras fechadas. A pele escurece e eles apresentam dificuldade em respirar. “Porém, muitas outras doenças apresentam os mesmos sinais clínicos. Então, na grande maioria das vezes, para descobrir qual parasita está causando a patogênese no peixe, são necessários exames diagnósticos. Apenas a inspeção visual não é suficiente”, explica o veterinário Pedro Henrique Cardoso, doutorando no Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia Experimental Aplicada às Zoonoses pela FMVZ/USP. O diagnóstico pode ser feito com uma simples raspagem da pele do animal que estiver apresentando os sinais clínicos, em um microscópio óptico comum.

Em estágios avançados da Costiose, é possível observar lesões hemorrágicas no pet, por conta de infecção secundária de bactérias que se aproveitam deste momento frágil do animalzinho. Além disso, ela pode ser fatal caso não seja observada logo no início.

Por isso, é preciso ficar bem atento ao surgimento dos sinais e buscar ajuda de um profissional especialista na área. Como no Brasil temos poucos, e os medicamentos são escassos para peixes, quando montar um aquário ou tanque tenha em mãos contatos de especialistas para eventuais problemas.

A melhor maneira de evitar que os peixes do seu aquário peguem a doença, é comprar seus novos animais de um estabelecimento que cuide bem dos peixes. Para Pedro, os estabelecimentos ideais são os que “adotem boas práticas de higiene e manejo nos equipamentos e instalações, e realizem quarentena prévia dos animais que são comercializados”.

 

Da Redação
Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.