Portal Melhores Amigos | Como fazer sua ave recepcionar bem uma nova “irmãzinha”?
2469
single,single-post,postid-2469,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Como fazer sua ave recepcionar bem uma nova “irmãzinha”?

aves-amigas_dominio-publico

12 jan Como fazer sua ave recepcionar bem uma nova “irmãzinha”?

As aves, na grande maioria das espécies, tanto em ambientes domésticos quanto na natureza, vivem em bandos. Essa característica possibilita a socialização tanto com aves de mesma espécie como com as de outras espécies. E como fazer uma recepcionar bem a outra? O médico veterinário e proprietário do Criatório Aves do Brasil, Helson Terra, explica como realizar o processo de introdução das aves de modo adequado.

Primeiros cuidados

Ao adquirir uma nova ave, independentemente de espécie, sexo ou idade, é preciso realizar uma quarentena, ou seja, esta deve ficar isolada das demais para evitar a transmissão de doenças. Apesar do nome quarentena, o período não precisa ser necessariamente de quarenta dias, mas um prazo durante o qual a ave será observada e passará por consulta em um médico veterinário para realização de exames básicos. Caso a ave esteja doente, deve ser tratada antes de ser colocada com as demais. Por este motivo, o tutor precisará de um viveiro separado. Muitas pessoas cometem o erro de comprar uma ave e já integrá-las às outras ao chegar em casa, aumentando as chances de transmissão de doenças.

“Recomenda-se que, antes de comprar uma ave, o tutor passe por um médico veterinário para consulta de orientação e para receber informações sobre a espécie desejada, saber sobre as necessidades, o ambiente adequado, entre outras coisas. Algumas informações variam de acordo com a espécie”, afirma Terra.

Diferenças de tamanho entre aves devem ser avaliadas previamente, para evitar danos e ferimentos nas de menor porte. Por isso, a recomendação é juntar apenas aves da mesma espécie ou de tamanhos compatíveis.

É preciso ter cautela com outros animais, como cães e gatos, já que a nova ave pode assustar-se com a presença deles, que são considerados predadores por instinto, mesmo que sejam mansos. A situação pode causar estresse e prejudicar o sistema imune da ave.

Recepção da nova ave

É preciso ter um viveiro de tamanho adequado para cada espécie, com espaço suficiente para a ave subir e descer nos poleiros, abrir e bater as asas, além de ter local para fixação de pelo menos três potes (ração, água e frutas). Os potes não devem ser colocados ao fundo do viveiro para evitar que caiam fezes. Além disso, é importante que o viveiro tenha brinquedos.

Ao chegar em casa com a nova ave, ela deve ser colocada em seu viveiro e ficar em local tranquilo, silencioso, sem muita iluminação e com temperatura agradável (entre 22 e 28º C). É comum a ave não comer ou beber água e se tornar agressiva nos primeiros contatos, já que a viagem somada à mudança de ambiente e de tutores deixa a ave estressada e insegura. Recomenda-se respeitar o período de um a três dias de adaptação, sem manusear a ave.

Após o período de adaptação, o tutor deve manusear a ave todos os dias, por cerca de quinze minutos, para que se acostume com ele e sinta-se confiante. Passado o período de quarentena, deve ser iniciada a aproximação da ave nova com as demais, tarefa que deve ser realizada com paciência e monitoramento.

Os viveiros devem ser aproximados sem encostar um no outro para evitar ataques e possibilitar que as aves se olhem à distância. Ao notar que estão se sentindo tranquilas, encoste um viveiro no outro. Este processo deve ser monitorado, pois em poucos segundos uma ave pode atacar e machucar a outra. Todos os dias o tutor manuseará a ave já existente e a nova ave, fazendo-o separadamente para que ambas tenham a mesma atenção. Depois de alguns dias, manuseará as aves juntas para que tenham contato entre si. Caso não haja briga, o tutor pode começar a colocá-las no mesmo viveiro por alguns minutos e depois separá-las novamente. Aumentando o período em que ficam juntas no mesmo viveiro possibilita que, em algum momento, fiquem juntas em definitivo.

Particularidades

Quando a ave existente já é idosa ou viveu por muito tempo sozinha, pode se tornar territorialista e rejeitar a presença de uma nova companheira.

Aves de mesmo sexo sempre serão mais difíceis de socializar, principalmente se forem dois machos. Se a aproximação for realizada em época de reprodução, machos podem brigar entre si e disputar pela mesma fêmea.

Introduzir uma ave idosa requer mais cuidado, porque já estava acostumada com outro ambiente e, caso vivesse sozinha em um viveiro, não estava acostumada a dividir o espaço.

Algumas espécies formam grupos e, quando uma nova ave é introduzida, é comum atacarem ao mesmo tempo a ave nova, levando-a a óbito. Isto acontece principalmente quando se introduz um filhote. Se a ave recém-chegada for um filhote, espere um período maior para iniciar a aproximação, até que o filhote esteja se alimentando bem e com peso ideal para a espécie.

Segundo Helson, mesmo depois da integração das aves, o viveiro deve ser monitorado com frequência por um período, para ter certeza que não haja brigas. Este período de aproximação não obedece a uma regra, variando em função da espécie, sexo e idade das aves envolvidas. O mais importante é deixar a ansiedade de lado, ser paciente e persistente para fazer a socialização aos poucos até que uma ave aceite bem a presença da outra.

Da Redação
Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.