Portal Melhores Amigos | Cães e humanos – benefícios da coevolução
3790
single,single-post,postid-3790,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Cães e humanos – benefícios da coevolução

Girl with dog

17 set Cães e humanos – benefícios da coevolução

Atualmente, muitos estudos já indicam que a interação do ser humano com o animal de estimação pode gerar melhora na saúde dos tutores e das famílias. Mas o que sabemos a respeito dos efeitos positivos na saúde do pet?

 

“A interação equilibrada entre humano e animal pode gerar benefícios físicos e mentais para ambos desde que sejam respeitadas as características da espécie animal em questão – explica a bióloga especialista em comportamento e bem-estar animal Helena Truksa, fundadora da Ethos Animal –  em se tratando de cães, por conta do histórico evolutivo da espécie e sua grande proximidade com seres humanos, os benefícios mútuos se tornam mais visíveis e mais profundos, já que somos parte de um processo de coevolução de milhares de anos. Dentre as espécies domesticadas, o cão é a que mais se destaca pela grande conexão emocional com humanos. Neste caso, o animal forma vínculos afetivos profundos com sua família humana”.

 

A receptividade ajuda o cão até mesmo a fortalecer o sistema imunológico pois trocas afetivas são potentes ativadores da produção e liberação de neurotransmissores e hormônios importantes para o bem-estar físico e psicológico do indivíduo (tais como oxitocina, serotonina e dopamina). E quando o organismo está com o stress “sob controle”, mantidos em níveis baixos, a imunidade aumenta.

 

Por outro lado, animais altamente sociais e dotados de sistema nervoso complexo são propensos a quadros depressivos. Isso pode ser visto em cães, primatas em geral e aves psitaciformes (famílias dos papagaios e cacatuas). O processo de domesticação também favorece a predisposição a este quadro emocional. Os sintomas são vários e o diagnóstico do problema depende de muitos fatores e do contexto em que são exibidos. Lembrando que estes sintomas podem também estar associados a quadros clínicos.

 

“A consulta veterinária é indispensável antes de se pensar em tratamento comportamental, como forma de descartar problemas puramente físicos. De forma geral, animais em quadro depressivo podem apresentar, com maior frequência e constância a perda de apetite (com consequente perda de peso), redução na atividade motora (mostra-se menos interessado nas atividades rotineiras que antes lhe geravam prazer, como brincar, correr, passear, etc.); aumento dos períodos de sono (dorme mais do que o habitual); queda de pelos e aumento ou surgimento de episódios de agressividade”, enumera Helena.

 

Mas, no caso de animais que sofrem de ansiedade de separação, ou são muito carentes, como amenizar o problema?

 

“Promover atividades interativas que preencham o tempo livre deste animal é fundamental – é o chamado enriquecimento ambiental. Também é necessário fazer com que o animal desenvolva mais tolerância aos períodos de ausência do tutor. Esse trabalho deve ser feito com auxílio de um profissional terapeuta devidamente qualificado”.

 

Além da aplicação de protocolos de modificação comportamental, o auxílio de um profissional terapeuta devidamente qualificado ajuda o animal a desenvolver tolerância aos períodos de ausência do tutor, de forma tranquila e com o mínimo de estresse.

 

Claro, esses períodos devem ser os mais breves possíveis, principalmente se o animal for “filho único”. “Cães são altamente sociais e precisam estar acompanhados por pessoas ou outros cães (mas principalmente por pessoas). Ter um segundo cão pode ajudar a reduzir o impacto da solidão, mas se a dinâmica familiar não for devidamente organizada, com rotinas definidas, e com equilíbrio emocional, a pessoa pode ter dois cães sofrendo com SAS (síndrome da ansiedade por separação) ao invés de apenas um!

 

“É importante que tutores e aqueles que desejam se tornar tutores saibam que os cães não devem ser deixados sozinhos por longos períodos. Se você trabalha fora de casa, digamos, das 8h às 18h, deixá-lo sozinho por todo esse tempo é um exercício cruel. A recomendação é que, se não puder ter mais um cachorro para fazer companhia, manter alguém em casa pelo menos por um certo período do dia, ou recorrer a uma creche canina, reconsidere a opção de procurar um cão”, conclui a especialista.

 

 

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.