Portal Melhores Amigos | Animais domésticos podem ter depressão?
3653
single,single-post,postid-3653,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-1.0,wpb-js-composer js-comp-ver-4.3.5,vc_responsive

Animais domésticos podem ter depressão?

dog-2437110_1920

02 jul Animais domésticos podem ter depressão?

É de conhecimento comum que animais domésticos – especialmente cães e gatos adquiriram, com o passar do tempo, algumas características muito comuns a nós, humanos. Algumas, é claro, são compartilhadas porque fazemos parte da mesma classe de animais – os mamíferos. Outras, porém, surgiram com um elo forte entre cães, gatos e humanos.

Uma delas é a depressão.

Sim: depressão é algo que pode acontecer com animais domésticos. Segundo a médica veterinária Giovanna Favarati, existem dois fatores mais comuns para que isso aconteça: desbalanço hormonal ou questões sociais – esta última, no caso, a mais comum. “Mudanças de rotina ou alguma perda de atenção, que o animal interpreta de forma que o faz mal, como a chegada de um bebê que tira totalmente o foco do bichinho, são variáveis que podem levar a uma depressão”, explica.  “Existem raças de animais que tem maior tendência a depressão, como dálmatas e border collies, que tem um fator de pigmentação que mostra pré-disposição”, pontua. “Este fator, porém, não significa que estas raças terão a depressão, apenas que há uma certa pré-disposição.

Segundo Favarati, alguns sintomas podem indicar um episódio depressivo do seu melhor amigo. “Os sinais mais clássicos são apatia, falta de vontade de brincar e disposição, além da falta de apetite. Ele começa a ficar mais quieto, em lugares mais escuros, não busca o dono para brincadeiras”, lista. “Mas um diagnóstico é complexo e pede investigação de muitas outras possíveis causas; ele também pode estar com algum problema gastrointestinal, por exemplo, que gera a perda de apetite. Por isso, não tire conclusões precipitadas se perceber que seu melhor amigo demonstra algum desses sintomas: sempre consulte um médico veterinário”, alerta.

Giovanna recomenda que, uma vez diagnosticada a depressão, exista tanto a medicação quanto a terapia ocupacional, com o acompanhamento do médico veterinário especializado em comportamento para que o animal volte a ter uma vida feliz e saudável com enriquecimento ambiental.

 

Nenhum Comentário

Sorry, the comment form is closed at this time.